logo Gusmão
Fale Conosco

(11) 3998-2020

Como é feita a lapidação de vidros?


Processo utilizado para modelagem do vidro, a lapidação tem a função de retirar o corte das bordas das chapas de vidro, o que, além de dar acabamento, aumenta a resistência do material contra trincas e quebras, tornando-o ainda mais seguro ao manuseio. Como o próprio nome sugere, a lapidação é um processo que lapida o vidro, assim como é feito com pedras preciosas. A lapidação de vidros destaca ainda mais acabamento e recortes do vidro, ressaltando a beleza do material e agregando valor ao produto.

 

O processo, que era feito com discos de ferro fundido com pedra ou areia, evoluiu e, atualmente, a lapidação de vidros é realizada por meio de rebolos diamantados pressionados manualmente na superfície do vidro ou pelas máquinas de lapidação, as lapidadoras, que automatizam este trabalho, trazendo mais comodidade e agilidade. No caso da lapidação de vidros por meio das máquinas automáticas o vidro é que se movimenta para ser lapidado.

 

O processo tira o brilho do vidro, por isso, na etapa final é feito um polimento, também através de rebolos, para devolver o brilho natural da peça. O vidro é um material de grande valor, que traz sofisticação aos ambientes, por isso, precisa ter um acabamento luminoso, com perfeita simetria e estética, para que sua aplicação tenha o objetivo alcançado. A lapidação é utilizada especialmente em espelhos, tampos de mesa e peças mais artísticas com vidro.

 

 

Existem diferentes tipos de recorte de canto, feito por diversos tipos de lapidação de vidros, além de infinitas possibilidades para a criatividade de quem desenvolve esta arte. Os mais comuns são o canto reto, também chamado de filetado, obtivo pela lapidação reta ou filete;  canto moeda, feito pela lapidação de vidros meia cana; e o canto garrafa com a lapidação bisotê, muito utilizada em espelhos, assim como a lapidação 2G, 3G e OG, usados em tampos de mesa, indicada para chapas a partir de 15mm e 30x30cm de dimensão.

 

O bisotê é um corte chanfrado nas extremidades do vidro, com formatos diferenciados, polidas na sequência, que dão um aspecto mais sofisticado, sendo assim a técnica aplicada em peças de decoração, móveis de vidros e espelhos decorativos. Os cantos podem ainda ser chanfrado, em “N” ou em “M”.A dimensão mínima da peça para vidros e espelhos para receber este tipo de tratamento é de 10 x 10cm.  

 


Comentários